Postagens

Sobre os títulos de crédito

 Os títulos de crédito são instrumentos jurídicos que representam direitos de natureza pecuniária, conferindo ao seu titular a legitimidade para exigir o cumprimento de uma obrigação de pagamento. Estes instrumentos assumem um papel fundamental na dinâmica das relações comerciais, facilitando a circulação de riqueza e a concretização de negócios. Conceito, atributos, princípios e classificação Conforme define Cesare Vivante , um título de crédito "é um documento necessário para o exercício do direito, literal e autônomo, nele mencionado". Em outras palavras, o título de crédito é um documento que incorpora um direito de natureza pecuniária, e que pode ser exercido pelo seu titular de forma autônoma, isto é, independentemente das relações jurídicas que eventualmente tenham lhe dado origem. Quanto aos atributos, os títulos de crédito apresentam duas características principais: Negociabilidade:  possibilidade de negociação facilitada do crédito decorrente de uma obrigação aprese

Ampulheta

Imagem
Quantos álbuns ainda há pra ouvir? Quantos livros ainda há para ler? Quantas dores ainda há pra sentir? Quantos amores ainda vão me prender? Quantos filmes ainda há pra assistir? Quantos lugares ainda há pra conhecer? Quanto sono ainda há pra dormir? Quantas refeições ainda terei que comer? Quantas metas ainda há pra cumprir? Quanto dinheiro ainda terei que ganhar? Quanta força ainda há pra resistir? Quanto fôlego ainda terei que tomar? Quantas teorias ainda há para entender? Quantos assuntos para estudar? Quantas coisas me restam fazer? Quantos defeitos ainda terei que ocultar? Quanta alegria ainda há pra sorrir? Quantas promessas pra deixar no ar? Quanto choro ainda há pra engolir? Quantas memórias ainda há pra criar? Meus sonhos há muito tempo são os mesmos Mas já não há muito tempo pra sonhar.

Deslumbre

Imagem
Eu perdi minha juventude, fiz tudo que pude. Às vezes, espero que mude, às vezes, isso só me ilude. Eu perdi minha jovialidade, perdi a força de vontade. Às vezes culpo a idade, às vezes, isso não é verdade. Eu perdi a minha beleza, esqueci o que tinha certeza, não vejo mais com clareza, não sinto mais a leveza. Eu me fiz de louco, escapei por pouco, quis dar o troco, senti o gosto do desgosto. Mas o que não mata, fortalece. O que não sacia, apetece. Quem bate, esquece. E o silêncio também é uma prece. Agora, já não te enxergo mais. Cansei de olhar pra trás, cansei de tentar ser capaz. Simplesmente, deixe-me em paz!

Mutabilidade do regime de bens no casamento

     A mutabilidade do regime de bens durante o casamento é um tema relevante no Direito de Família brasileiro , gerando discussões e análises quanto à sua possibilidade e às condições necessárias para que essa mudança ocorra. Fundamentos legais e doutrinários      A legislação brasileira prevê a possibilidade de alteração do regime de bens após a celebração do casamento, conforme disposto no Código Civil de 2.002. O artigo 1.639, § 2º , permite essa alteração, desde que haja autorização judicial e sejam respeitados os interesses dos cônjuges e de terceiros: "É admissível a alteração do regime de bens, mediante autorização judicial em pedido motivado de ambos os cônjuges, apurada a procedência de razões invocadas e ressalvados os direitos de terceiros."      Carlos Roberto Gonçalves , em sua obra "Direito Civil - Família e Sucessões", destaca que essa norma tem o objetivo de flexibilizar a rigidez anteriormente existente no Código Civil de 1.916, que não permitia a

Enquantos

Imagem
Enquanto todos buscam seguidores, eu só busco seguir minha consciência.  Enquanto todos querem ser influenciadores, eu só quero influenciar minhas dores. Enquanto se sacrificam pela perfeição da aparência, eu preservo a imperfeição da essência. Enquanto fazem o impossível para ter, eu faço o possível para ser. E sigo sendo... Quem eu sou, o que sou e como sou. Independente de tudo, indiferente a todos. Ontem, hoje, amanhã e sempre.

Palavras cafeinadas

O sol matinal banhava a chácara com uma luz que a pintava de tons dourados e suaves. As cortinas brancas estavam semiabertas até a metade, permitindo que os primeiros raios solares entrassem dançando no quarto. O cômodo estava preenchido com o inebriante aroma do café recém-preparado, misturando-se irresistivelmente ao odor de feromônios que pairava no ar. Sentados lado a lado, os amantes entrelaçavam suas pernas entre os lençóis bagunçados da noite anterior. Os blocos de papel à frente deles, esperavam pacientemente para serem preenchidos com as palavras que descreveriam sua paixão ardente. Canetas nas mãos, eles se olhavam e sorriam alternadamente relembrando os momentos enquanto transfiguravam as memórias e sensações recentes em letras no papel, perdendo-se em seus brilhos e nas lembranças dos instantes partilhados. Cada arrepio, cada gota de suor, cada gemido e cada suspiro eram cuidadosamente convertidos em palavras escritas. O café fumegante aquecia suas bocas enquanto eles escre

Conchinha

Essa é a melhor hora do dia Esse é o momento que eu mais queria Agarradinho com meu amor, de conchinha Numa cama quentinha O mundo pode acabar Eu não ligo O tempo pode parar Eu prefiro As horas não precisam passar O sol não carece raiar O alarme não ouse soar Rendam-se todos à simplicidade do amar

Entre magias e orgias

Imagem
     Era uma noite de lua cheia quando os caminhos do semideus e da bruxa se cruzaram. Encontraram-se numa clareira encantada, onde a energia da natureza pulsava intensamente.      Ele, com seus olhos ardentes como um bom vinho bordô seco, emanava um magnetismo irresistível, e seu sorriso malicioso carregava uma promessa de êxtase e prazer; enquanto ela, com sua pele alva quão brilho lunar, possuía uma beleza misteriosa e selvagem, e seus longos cabelos pretos como a meia-noite se espalhavam como galhos noturnos, .      A bruxa era uma fervorosa admiradora de Lilith, a poderosa deusa da noite e da sexualidade. Ela possuía um conhecimento intrínseco das ervas, se conectava profundamente com a natureza, encontrando sua magia nas folhas das árvores, nas flores que desabrochavam e no fluxo dos rios. Sua independência e devoção à sua própria vontade eram tão fortes quanto à essência da deusa venerada.      O semideus, por sua vez, assemelhava-se a Dionísio, deus do vinho, do prazer e dos ba

Par perdido

Imagem
Onde estará você, minha bonança, Na imensidão deste mundo, perdido, sem esperança? Procuro por ti, amor, em cada praia e enseada, Confiante em encontrar-te e viver nossa jornada. Nossos passos descalços, lado a lado na areia, Com a brisa do mar sussurrando o que o nosso coração anseia, Com a alegria e a leveza da vida a nos abraçar, Na união dos nossos pés, como uma dança a se performar. Onde estará você, meu elo indivisível? Será que nosso encontro está destinado aos traços do imprevisível? Busco pelos rastros que me guiam em sua direção, Ao rumo do amor, à nossa conexão. Na cadência das ondas, ecoa a nossa melodia, Unindo duas almas em perfeita sintonia. O sol que brilha intensamente é testemunha do nosso encanto, E em cada passo dado, construímos um novo recanto. Onde estará você, minha metade perdida? Quero entrelaçar-te em meus braços, num abraço de vida, Para juntos trilharmos nossos caminhos, De mãos dadas e pés compassados, sem temores, como eternos vizinhos. Por entre praias d

Por que eu escrevo?

Imagem
“- Por que você escreve?” Eis sua pergunta. Tuas indagações sempre exigem uma reflexão profunda, Queres desnudar os mistérios que  minh'alma  fecunda. Lamento dizer-te que meus motivos não são tão astutos. Escrevo para dar voz a sentimentos ocultos, Para fluir palavras como rios, em melodias de resultados incultos. Escrevo para pintar quadros com letras, Revelando paisagens internas, as mais secretas, as mais estreitas. As palavras são pincéis que traçam emoções, Transformando o vazio em exóticas criações. Escrevo para tocar a mente, Despertar a reflexão, a ideia latente. As letras dançam em prosa, rimas e versos, Atravessam barreiras, conectam universos. Escrevo para celebrar a liberdade, cessar a vontade, Liberar pensamentos, romper a obscuridade. As palavras dão asas que voam além do tempo, Elevam o espírito, libertam do tormento. Escrevo para eternizar memórias passageiras, Guardar lembranças, preservar besteiras. As linhas se entrelaçam, formando um legado, Um tesouro de palav

À vida

Imagem
Querida vida, Escrevo-te esta carta para expressar os sentimentos que habitam em meu coração há tanto tempo. Olhando para trás, percebo que tivemos uma relação complexa e muitas vezes tumultuada. No entanto, quero deixar claro que, apesar das dores e das adversidades que me impuseste, eu escolho perdoá-la. Não foi fácil, claro. Algumas feridas demoraram muito tempo para cicatrizar, e outras ainda estão em processo. Mas eu aprendi que o perdão não é um ato único, é um processo contínuo. É uma escolha que precisamos fazer todos os dias, de deixar para trás aquilo que não podemos mudar e seguir em frente. Acredito que você e eu nos encontramos numa encruzilhada da existência, e nossa união foi permeada por uma série de desafios. Houve momentos em que me vi afogando em meio às tempestades que tu me lançaste. Os teus golpes pareciam implacáveis, e muitas vezes me perguntei por que tu eras tão dura comigo. Enfrentei dores profundas, decepções avassaladoras e lutas incansáveis. Chorei lágrima

A vida

O nascer, o chorar, o acalentar O crescer, o engatinhar, o andar A queda, o susto, o levantar A vida O ouvir, o aprender, o falar O querer, o pedir, o implorar Não saber, não poder, não tocar A vida O sair, o curtir, o voltar Cochilar, dormir, despertar Ficar, partir, viajar A vida Desejar, se apaixonar, se entregar Lutar, desistir, persistir Buscar a felicidade, se permitir A vida O amar, o sofrer, o perdoar O abraçar, o beijar, o afagar Juntar, separar, reencontrar A vida O competir, o vencer, o perder O sorrir, o chorar, o esquecer O lembrar, o seguir, o ser A vida A batalha, a conquista, o recomeço A caminhada, a corrida, o tropeço Acalmo, emociono, enfureço A vida Procurar, explorar, desbravar Cultivar, sonhar, realizar Aproveitar, fracassar, não parar A vida Quando se aproximar do último suspiro Que ainda haja motivo pro riso Quando se sentir sozinho Recordar todo o caminho Quando não houver o que fazer Olhar pra trás sem se arrepender Quando chegar a inevitável despedida E ainda

A ditadura das metas

Meta de passos; meta de produtividade; meta de leitura; meta de calorias; meta de peso; meta de poupança; meta de investimentos; meta de sono; meta de Ano-Novo; meta de vida; metas… Vivemos numa cultura obcecada por metas. Desde muito cedo, somos ensinados e, até mesmo, pressionados que devemos ter objetivos claros e definidos em todas as áreas da vida - da carreira profissional às relações pessoais. Embora estabelecer metas seja uma parte importante do processo de realização, a obsessão por elas pode levar a uma espécie de ditadura, onde o valor pessoal é determinado pela capacidade de atingir os objetivos estabelecidos. A ditadura das metas pode ter efeitos negativos relevantes em nossa qualidade de vida. Quando nos concentramos exclusivamente em alcançar objetivos, perdemos a conexão com o momento presente e ignoramos as necessidades do nosso corpo e mente. Ficamos constantemente estressados, preocupados em atingir a próxima meta, e negligenciamos o cuidado com nós mesmos e com os o

Quase

É quase como se não fosse... Que sete e sete são doze, e não catorze Que cada gesto se transforma numa pose Que o sabor amargo pode ser o mais doce É quase como se não fosse... Que a luz ofusca o dia Que o sorriso relativiza a alegria Que a alma aquece o que o corpo esfria É quase como se não fosse... Que a lucidez incentiva a loucura Que choro e espirro não se segura Que a pior doença também traz a melhor cura É quase como se não fosse... Que a ignorância produz o conhecimento Que a insensatez fortalece o sentimento Que o silêncio vocifera o lamento É quase como se não fosse... Que a saída também é uma entrada Que a queda também é uma escada Que a visão é turva quando a língua é afiada É quase como se não fosse... Que o prêmio do abstêmio é a embriaguez Que a sabedoria do boêmio é a estupidez Que o triunfo do abastado é a mesquinhez É quase como se não fosse... Que o beijo pode matar  Que a dor pode salvar  Que a proximidade pode afastar É quase como se não fosse... Que querer chegar

Filmes que todo jornalista deveria assistir

Imagem
Eu acredito que os filmes são uma ótima maneira de aprender sobre o mundo e as pessoas. Eles têm o poder de entreter, educar e inspirar. Para os jornalistas, existem alguns que são ótimos para entender melhor a profissão e os seus desafios. Aqui estão os meus favoritos: Cidadão Kane (1941) Amplamente considerado o maior filme de todos os tempos, dirigido por Orson Welles, o filme segue o magnata das comunicações, Charles Foster Kane, enquanto ele sobe ao poder e enfrenta os resultados de suas decisões. É um poderoso conto sobre o poder e as conseqüências da ambição desenfreada. Ele oferece uma grande visão sobre o mundo do jornalismo e o poder da imprensa. O quinto poder (2013) Drama biográfico sobre a ascensão do WikiLeaks  e seu fundador, Julian Assange. Ele fornece uma visão interessante do mundo dos denunciantes e dos dilemas éticos que os jornalistas enfrentam ao relatar informações confidenciais. O filme também destaca a importância da checagem de fatos e o poder do jornalismo in

Prisão

Imagem
Estou preso! Como vim parar aqui? Como saio daqui? Como me permiti? Logo eu, que sonhava tanto em voar, hoje me pego desejando meramente um lugar pra aterrissar. Sem rota de fuga, corroído pela culpa, isolado e condenado. Com sentença transitada em julgado, sem direito a recurso. Não tenho a vida que sonhei, muito menos a que pedi a Deus, nem tampouco a que mereço. Mas que tolice a minha, acreditar um dia que nesse mundo tens aquilo que mereces. Tolo! Tento esquecer o passado e olhar adiante, mas não há mais tempo! Tempo, seu maldito! Passaste tão depressa diante dos meus olhos e nem notei. Tardiamente percebi quão implacável e intolerante és com a indiferença alheia. Carente de atenção como nenhum outro! Sonhos ofuscados por pesadelos. Tantos! Nem mesmo o inconsciente concede-me o privilégio de escapar da realidade. "Mas nada como um dia após o outro", é o que dizem. Porém, no abrir dos olhos, todos os dias são na verdade o mesmo dia. Paciência e condescendência são os meus

Coisas que não gostei em Curitiba

Imagem
Há muitos fumantes Eu sempre achei impressionante o quão é comum conhecer pessoas que fumam em Curitiba. Não sei se tem relação com o clima frio ou outra coisa, mas a impressão que eu tenho, diferente dos outros lugares em que morei, é de que, em Curitiba, fumar é a regra e não fumar é a exceção. Inclusive, achei bem cômico e me surpreendi quando vi que em muitas empresas há até um espaço reservado chamado "fumódromo". As pessoas te avaliam pelo bairro que mora Eu imagino que isso não seja uma exclusividade curitibana, mas o que me chamou atenção é que isso parece ser uma abordagem inicial padrão. No exato momento que você conhece alguém, ela em seguida vai perguntar em que bairro você mora. E ao responder, você perceberá pela reação se houve aprovação ou não na sua resposta. Há muitos moradores de rua Eu sei que isso não é uma coisa só de Curitiba, mas um problema principalmente das grandes cidades brasileiras. Só que o que me impactou é uma certa naturalidade quanto a isso.

Telas

Imagem
Estou cercado delas Cerceado por elas Minha imagem reflete em todas Mas eu não reflito sobre nada Todas me monitoram Parecem me conhecer muito bem Mas eu não me reconheço Todas me seguem Numa jornada solitária Encontro-as em qualquer lugar Perco-me nelas facilmente Vejo todas Não enxergo nada São feitas pra assistir Sem oferecer assistência Sugam ao máximo Sem dar a mínima São muitas e imensas Que me isolam e me apequenam Imagens de alta resolução Que não resolvem nada Retinas focadas Mentes ofuscadas Telas multicoloridas Vidas sem aquarelas

Paradoxos sociais

Imagem
Por que as pessoas afirmam que se deve ter autoestima e autoconfiança, mas quando se tem, rotulam-no como metido e alguém que "se acha"? Por que todos querem ter uma vida sossegada, mas orgulham-se de dizer que suas vidas são corridas e sofridas? Por que, de maneira geral, a maioria das pessoas não sabe o que fazer com a própria vida, mas mesmo assim desejam viver para sempre? Por que se eu quiser saber o que tem no seu celular é invasão de privacidade, mas você querer saber no que eu estou pensando não é? Por que tenho que aturar todos os assuntos alheios, mas os outros não podem lidar com o meu silêncio? Por que você tem o direito de mandar falar, mas se eu mandar você se calar é falta de educação? Por que as pessoas reclamam de ter que trabalhar, mas se vangloriam de ter começado a trabalhar jovem? Por que as pessoas proclamam que é importante saber ouvir, mas reprimem quem fala pouco? Por que as pessoas têm tantos “por quês”, se cada um escolhe o “porquê” que l

Alegria

Estou de volta, sem revolta, à porta Envolto em seus braços Me desfaço dos percalços Seu sorriso encantador Seu olhar acolhedor O peito explodindo de amor Não tardo a me entregar Não há por que negar Todo o afeto que tens pra dar Suas palavras me convidam Seus lábios me provocam Exponho o que me acalma Aquieto a minha alma És mulher de contradições De razões e emoções De silêncios e sermões De Clarice e Camões És plena e pequena Sensível e serena Com dó e sem pena Solução e problema De respiração ofegante Carisma contagiante Jeito apaixonante E toque inebriante Nesse momento sem preço Dos problemas me esqueço Não questiono se mereço Simplesmente reconheço O mundo já não interessa Do tempo, exijo que não tenha pressa Que não ouse passar Que impeça o fim de chegar Saboreando dessa paz Que não havia provado jamais Sinto-me o mais tolo dos mortais Em devaneios de rimas banais Imagino o futuro Observo o escuro Longe do barulho Onde fico mais seguro Tentando evitar o que já sabia A partida q